quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

...huuuunf ahhhhhhh....

Eu sei, eu sei. "Eu não tenho tempo" é o novo "o cachorro comeu minha lição de casa"*. Mas é, não tem sobrado muito tempo para escrever. Entre cuidados com meu filho e crises existenciais está difícil parar para escrever.

Na verdade, tenho aproveitado os espaços de tempo para ler, li muito nesses últimos dias e foi como recuperar uma parte de mim. Foi bom lembrar de como um livro pode ser um farol para mim. Me perder em histórias alheias faz com que eu me desligue dos meus pensamentos, e acredite, meus pensamentos são bem doentios.

Mas não dá para ficar fugindo deles para sempre.
Não dá e não posso.

Eu nem sei bem o que me incomoda. Às vezes penso que pode ser só imaturidade, e parte de mim quer sentar e esperar passar, vou crescer um dia, né? Mas e se não for? Se eu chegar aos 34 e continuar assim, com essa nostalgia, com essa sensação de que não vale a pena viver?

De onde vem tanto desânimo? De onde?
De onde surgem os pensamentos negativos?
De onde vem tanta irritação? O que consome minha paciência?

Onde encontro meu equilíbrio?
Que vida eu quero para mim?
Quem eu quero ser?

É como se eu tivesse todas as respostas, mas não as conseguisse tirar de mim. Como ter as soluções e não consegui-las por em prática.

Droga, me sinto uma adolescente. Sei lá, talvez ainda seja...








*Analogia bacaninha que vi no Facebook.